REMÉDIO PARA DISFUNÇÃO ERÉTIL

O que é disfunção erétil?

A disfunção erétil ou impotência sexual é a dificuldade que um homem encontra para manter o seu pênis ereto pelo tempo necessário durante o relação sexual para conseguir a penetração e a satisfação.

Ela acontece, principalmente, com os homens acima dos 50 anos. Para determinar a doença é preciso que a ocorrência ocorra a cada quatro relações sexuais.

Ela acontece devido a um desequilíbrio entre a contração e o relaxamento do músculo liso do corpo cavernoso do pênis.

A ereção acontece como resultado da ação em conjunto do sistema nervoso vascular e hormonal.

As células das artérias penianas recebem a mensagem para relaxar o tecido muscular, levando ao aumento no fluxo sanguíneo para inchar o órgão genital masculino.

Como acontece a ereção masculina?

O pênis possui dois grupos de fibras nervosas: uma com sinais inibitórios que atrapalham e impedem a ereção, e outra que recebe sinais de excitação que facilitam a levantamento do pênis.

Os dois se juntam na medula na parte inferior da coluna vertebral. Dessa forma, o pênis fica ereto sem transmissão direta do cérebro.

Mas a comunicação que ocorre através de nervos, entram em contato com o local central e mais profunda do cérebro ligado às emoções e à memória, se ligando ao chamado cérebro pensante, onde ficam a região de tomada de decisões.

Essa integração faz com que os neurônios, levem sinais de inibitórios e excitação, para que o sangue seja guiado pelas artérias e penetre dentro dos corpos cavernosos e, seja retido dentro através da compressão, causando a ereção. Quando o sangue volta para a circulação normal, o pênis volta a ficar flácido.

Causas

Para conseguir uma ereção vários órgãos e tecidos trabalham juntos e com harmonia, há muitas situações que prejudicam um ou mais elementos e podem cursar a disfunção erétil.

Não é sempre que os médicos conseguem diagnosticar qual o nível de participação de cada estrutura.

A disfunção erétil está ligada a várias doenças que precisam ser diagnosticadas para começar o tratamento.

Elementos emocionais como a ansiedade, o estresse e a depressão

Os elementos psicológicos estão entre as principais causas para a disfunção erétil, especialmente na disfunção em rapazes jovens.

Quando se está pressionado devido ao estresse e ansiedade, aumenta a liberação de adrenalina do cérebro para o corpo, Com isso, há uma diminuição no fluxo de sangue nos vasos e que levam a uma dificuldade em transportar o sangue até o pênis.

Um homem ansioso ou estressado, pode ter dificuldades com a sua ereção.

A depressão é uma doença que leva a sintomas de tristeza profunda, sem o sentimento de prazer em atividades que antes traziam uma boa sensação. Isso pode causar a diminuição e perda de libido durante a relação sexual.

Bebidas alcoólicas e o fumo

O consumo de bebidas alcoólicas retarda o sistema nervoso e causam um relaxamento de todos os músculos do corpo, incluindo os músculos do pênis. A ereção não consegue se sustentar por causa da falta de tensão muscular que é necessária para exercer o ato.

Já o consumo de tabaco causa mudanças definitivas no sistema vascular que é uma das principais causas orgânicas para a disfunção erétil.

Doenças vasculares

As doenças vasculares como a hipertensão, diabetes, colesterol alto ou aterosclerose, endurecem as paredes dos vasos sanguíneos, atrapalhando no fluxo da quantidade de sangue que chega até o pênis.

Cirurgia e radioterapia

Existem cirurgias, como as intestinais e as de próstata que podem causar lesões nos vasos e nervos importantes para que a ereção aconteça. Os tratamentos como os de radioterapia feitos na região abaixo da cintura, também podem danificar os vasos.

Desequilíbrio hormonal

Problemas com os hormônios, também podem causar a disfunção erétil, devido às baixas concentrações de testosterona que é o hormônio masculino indispensável para conseguir uma boa ereção.

Lesões na região genital masculina

Apesar de parecer estranho, o pênis pode quebrar durante as relações sexuais, quando os corpos cavernosos estão totalmente cheios de sangue e ele fica duro o suficiente para ser quebrado como se fosse um osso. Quando isso ocorre, os tecidos internos do pênis ficam danificados.

A disfunção, também, pode acontecer por causa de doenças neurológicas, consumo em excesso de medicamentos, doença de Peyronie ou fibrose dos corpos cavernosos, diabetes, colesterol e triglicérides alterados, obesidade e sedentarismo.

Obs.: O envelhecimento não é uma causa de disfunção erétil, pois ela pode aparecer em qualquer idade.

Sintomas

Alguns sintomas são: diminuição do tamanho e da rigidez do pênis, falta da capacidade de obter e manter uma ereção, diminuição dos pelos corporais, atrofia ou ausência dos testículos, pênis deformado, estreitamento e endurecimento das artérias que transportam o sangue para os membros inferiores do corpo, distúrbio das funções do sistema nervoso.

Diagnóstico

Problemas para manter o pênis ereto em casos eventuais pode acontecer com qualquer homem.

Mas quando a ereção não ocorre com certa freqüência, é preciso ir ao médico.

Para conseguir o tratamento correto para a disfunção erétil é preciso se consultar um urologista.

Ele vai tentar identificar quais são os possíveis fatores de risco e tratar o problema em si, sendo que o diagnóstico da disfunção erétil é em sua grande parte clínico.

Só o médico poderá  dizer qual o tipo de medicamento indicado para cada caso, assim como a dosagem correta e o tempo de duração do tratamento.

Sempre, deve-se seguir as orientações do seu médico sem se automedicar. O uso do medicamento não deve parar sem a autorização do médico

Devido às diferentes causas para a disfunção erétil, o tratamento varia bastante. Os casos mais difíceis são os de diabéticos e os homens submetidos a cirurgia para tratar o câncer da próstata.

Em grande parte dos casos, esses pacientes não respondem a terapia oral e precisam ser tratados de outras formas para voltarem a ter uma vida sexual ativa.

Ecodoppler peniano

O ecodoppler peniano é um exame que é feito através da introdução de um medicamento injetável no pênis para conseguir produzir uma ereção.Dessa forma pode ser medido o fluxo arterial e como se comporta a túnica que reveste os corpos cavernosos do pênis e analisar a resposta dessa ereção.

Ele é realizado em um consultório médico ou clínicas de radiologia com a medicação tendo efeito de 5 a 10 minutos. Com ele, será possível estabelecer a gravidade da disfunção e nas alternativas terapêuticas como a auto-injeção ou implantes penianos.

A disfunção erétil tem cura?

Há tratamento para todos os tipos de disfunção erétil, basta ir até um urologista e começar a adotar hábitos de vida saudáveis. O importante é explicar de forma detalhada o problema e confiar na orientação do médico.

Também, é fundamental durante o processo controlar os fatores de risco como o fumo, a obesidade, sedentário, entre outros fatores, e se exercitar regularmente de acordo com a orientação médica.

Tratamento

O tratamento se inicia com a identificação e controle dos fatores de risco. Há diferentes formas de tratamento: medicamentos orais, injeção intra-cavernosa, prótese peniana maleável, prótese peniana inflável, terapia, revascularização e bomba de vácuo.

Remédios para a disfunção erétil

Os principais remédios utilizados para o tratamento para a disfunção erétil são:

Cialis

O Cialis possui como sua base  em sua composição a substância tadalafila e, é para uso sob prescrição médica.

Durante a sua forma de ação, a enzima fosfodiesterase tipo 5 que relaxa a musculatura do pênis. Esse medicamento é de consumo diário. Além do comprimido, o paciente pode usar a sua versão spray sublingual.

Ele deve ser evitado pelos homens que apresentam alergia à tadalafila e os que usam medicamentos com nitratos.

Os possíveis efeitos colaterais são: desconfortos gástricos, dor nas costas, rubor no rosto, tontura, sensação de nariz entupido e dores musculares.

Helleva

Ele possui carbonato de lodenafila que é usada para tratar a disfunção erétil e deve ser usado em casos em que o homem tem dificuldade de manter a ereção por tempo suficiente para ter uma ereção e mantê-la.

O efeito de Helleva dura por quase 6 horas.

Ele não é recomendado para quem usa certos remédios ou que apresentam retinite pigmentosa ou alergia aos componentes da fórmula.

Os efeitos colaterais são: dor de cabeça, rinite, rubor facial e tonturas.

Levitra

Ele é composto pelo vardenafil e age estimulando o fluxo sanguíneo no pênis para completar a ereção e mantê-la por mais tempo. O efeito do medicamento dura por 4 horas e o uso dependerá da prescrição médica.

Ele é contraindicado para quem apresenta alergia aos componentes da fórmula ou usa medicamentos com nitratos e de óxido nítrico.

Os efeitos colaterais são: tontura, vasodilatação, congestão nasal, dor de cabeça, desconfortos gastrointestinais, dor nas costas e cãibras.

Viagra

É o mais popular e atua dilatando as artérias que levam sangue para o pênis, sendo necessário estímulo sexual para a ereção.

O Viagra é contra indicado para quem usa medicamentos de doadores de óxidos nítricos, nitratos ou nitritos orgânicos e alérgicos aos componentes da fórmula.

Os efeitos colaterais são: dor de cabeça, problemas visuais, tontura, congestão no nariz, desconfortos gástricos, ondas de calor, rubor na face.

error: Content is protected !!